- By João Tordo

Hotel Memória

  • Title: Hotel Memória
  • Author: João Tordo
  • ISBN: 9789728998523
  • Page: 225
  • Format: Hardcover
  • Hotel Mem ria Onde termina a culpa e come a a expia o Em Nova Iorque um estudante apaixona se por uma rapariga enigm tica com quem vive uma intensa rela o Mas a morte desta inesperada e violenta enche o protagon

    Onde termina a culpa e come a a expia o Em Nova Iorque, um estudante apaixona se por uma rapariga enigm tica com quem vive uma intensa rela o Mas a morte desta, inesperada e violenta, enche o protagonista de culpa e remorso lan ando o numa espiral descendente at o transformar num vagabundo, sem dinheiro e sem posses Prisioneiro do Memory Hotel, um pardieiro da baixOnde termina a culpa e come a a expia o Em Nova Iorque, um estudante apaixona se por uma rapariga enigm tica com quem vive uma intensa rela o Mas a morte desta, inesperada e violenta, enche o protagonista de culpa e remorso lan ando o numa espiral descendente at o transformar num vagabundo, sem dinheiro e sem posses Prisioneiro do Memory Hotel, um pardieiro da baixa de Manhattan que parece destinado a albergar criaturas perdidas como ele pr prio, contratado por Samuel, um milion rio exc ntrico, para procurar um fadista portugu s emigrado para os estados Unidos quarenta anos antes.Tendo Nova Iorque como pano de fundo, dos anos sessenta at ao presente, e criando a figura inesquec vel de Daniel da Silva, o fadista que conquista Manhattan com o seu talento, Hotel Mem ria , ao mesmo tempo, um romance de mist rio e aventura nos meandros da condi o humana uma hist ria simultaneamente intrigante e comovente, que lida com os fantasmas da mem ria, da culpa e da reden o.

    1 thought on “Hotel Memória

    1. Hotel Memória é uma história sobre o drama da culpaO verso e o reverso desse sentimento (?).É um enredo que tarda a acontecer.As poucas personagens mantém a expectativa até ao finalObsessão e Culpa.Castigo.Em Nova Iorque,a partir dos anos sessenta !

    2. Ler este livro é como espreitar por uma porta entreaberta, tive a sensação de estar a ler algo que não deveria, a folhear as páginas de um diário às escondidas. O protagonista é levado a todos os limites: do amor, da culpa, da dor física, do sofrimento. A certo ponto torna-se difícil acompanhá-lo, vê-lo levar tantos pontapés (alguns literais) e manter-nos à margem. Nessa altura há qualquer coisa que nos faz vaguear pelas divisões da casa, como se procurássemos desesperadamente u [...]

    3. Na cidade que nunca dorme, Nova Iorque, surge-nos um narrador do qual não sabemos quase nada. Apenas que é um estudante de pós-graduação em Literatura Inglesa e que tem um fascínio pelo livro Moby Dick de Herman Mellville. Quando Kim, uma jovem e misteriosa mulher, entra na vida do nosso narrador que ora responde pelo nome Ismael, ora por Bartleby, no espaço de poucos meses este sobe aos céus de felicidade e desce aos infernos da depressão e da auto-destruição, procurando uma anestesi [...]

    4. Tendo em conta as obras que li de João Tordo, é um autor que mantém uma coerência que o distingue de outros, através da sua escrita e dos enredos que cria.Sou já uma fiel seguidora e este livro veio mostrar-me que estou no caminho certo.João Tordo criou um enredo com poucas personagens, fortes e bem definidas, e explora, de alguma forma, a sua obsessão, culpa e castigo, numa narrativa que mantém a expectativa até ao final.É uma leitura relativamente pesada, na medida em que foca algun [...]

    5. É o quarto livro do português João Tordo que acabei de ler e é o primeiro ao qual atribuo cinco estrelas, sem receio de o colocar nessa classificação. O Hotel Memória é uma relíquia na literatura portuguesa contemporânea, ninguém pode dizer o contrário. Ainda não havia sinal do Prémio José Saramago (não podemos negar que foi a partir desse galardão que o nome do escritor passou a estar debaixo das luzes da ribalta e dos críticos), mas já se sentia a qualidade da história apre [...]

    6. "Disse-me, antes de vestir o casaco e colocar o gorro na cabeça para sair e enfrentar o frio daquele Janeiro gelado, que trabalhava para um morto, um morto que tinha enterrado um vivo na sua própria casa,"

    7. Nesta obra mergulhamos juntamente com o narrador nos meandros nova-iorquinos, acompanhando o jovem estudante (que como tantos outros chega aos EUA cheio de sonhos, projetos e expectativas) numa espiral descendente ao submundo do crime, culpa, castigo, vingança, remorso e resignaçãoA história flui extremamente bem (segmentada é certo, mas com uma interligação sólida entre as diversas partes) e o desenvolvimento da personagem principal é credível. Não conhecia a escrita de João Tordo e [...]

    8. É bom navegar por um mar de referências comuns. A descida do ser à sua essência humana; a procura incessante por uma resposta. Todas as grandes histórias deveriam ter Nova Iorque como cenário!

    9. O protagonista da história é, mais uma vez, uma personagem sem nome. Neste livro o protagonista é um estudante, oriundo de uma pequena cidade europeia que deixou, rumo aos Estados Unidos, mais precisamente ruma à Big Apple, para prosseguir os estudos em Literatura. Este homem, surge-nos, desde logo, como alguém inseguro, tímido, com uma personalidade pouco vincada, que parece ter encontrado nos livros e na bolsa de estudo que conseguiu, uma forma de escapar a uma família aparentemente suf [...]

    10. Como os fantasmas da memória e da culpa podem dar cabo da vida de uma pessoa, um jovem, neste caso.

    11. Foi a minha primeira experiência com o João Tordo.Confesso que não estava à espera deste estilo de escrita mais "clássico", em que o que importa é a história que se está a contar e não se a estrutura é inovadora ou o estilo rebuscado e original, como acontece com a maioria dos outros jovens autores portugueses.Senti-me cativada pela narrativa e completamente transportada para as situações descritas. O facto do narrador nunca se identificar devidamente dá mais uma aura de mistério [...]

    12. A minha curiosidade era muita em relação a este escritor. Para além de recolher opiniões muito favoráveis dos leitores, ganhou uma série de prémios literários. Assim, decidi lê-lo, cheia de expetativas. Gostei muito da parte inicial do romance. Cativou-me, prendeu-me. No entanto, a partir de certa altura, achei a trama algo previsível e até um pouco enfadonha. João Tordo escreve bem, disso não tenho dúvidas, tem um bom ritmo mas, acabei por me ir desligando da história, que não a [...]

    13. Por algum motivo obscuro resisti durante muito tempo a ler os livros de João Tordo. Sinceramente nem sei bem porquê mas sempre que tinha que decidir entre aquele livro e outro escolhia o outro. Há cerca de dois meses o Hotel Memória veio parar-me às mãos (mais um livro em movimento através da Roda dos Livros) e nem sequer veio muito bem recomendado. Mas apeteceu-me lê-lo e ainda bem que o fiz.É o melhor livro do mundo? Não. Traz muitas novidades? Não. Mas lê-se bem, é diferente do q [...]

    14. Mais um género de investigação com um toque à portuguesa.Não que tenha desgostado do livro. Não que ache que João Tordo seja desprovido de mérito. () Apenas não é bem o meu estilo de leitura e, como tal, não exige em demasia a minha atenção/não me capta para merecer quatro estrelas.É bom para 'mudar de ares' e para fazer companhia aquando insónias + narina direita entupida, mas (acho que) apenas isso.(aqui fica)

    15. Hotel Memória é um belíssimo livro que me vai ficar no pensamento durante bastante tempo. Como ficam os grandes livros. Não é para mim uma surpresa depois de ter lido "O Bom Inverno" também de João Tordo no entanto é claramente superior e conta sobretudo uma história riquíssima do inicio ao fim.

    16. Uma história que não se apressa a fazer-se conhecer, desenvolvendo-se com os fantasmas e batalhas de personagens distintas. Encontra-se bem escrito, no entanto sente-se a falta de algo, o que o torna medianamente bom.

    17. Na realidade, estas 4 estrelas equivalem a 3.503.75 Mas sempre ouvi dizer que em caso de dúvida, mais vale beneficiar quem não sabermos muito bem se merece, do que prejudicar e ficarmos para sempre a pensar que fomos injustos. Acho que dentro do seu estilo, é um bom livro :)

    18. Agarra o leitor desde a primeira página e não o solta até o mesmo fim da história. Um narrador imenso, com o sentido exacto de como dosificar a informação. A história é apaixonante e crua. Um livro imprescindível.

    19. Foi o primeiro livro que li do autor e é um romance que capta a nossa atenção do início ao fim. Trata-se de uma mistura de várias personagens cujas vidas e sentimentos se cruzam, entre o passado e o presente, em Nova Iorque, no final do séc. XX. Simplesmente, genial!

    20. Para mim, o melhor de João Tordo até agora. Tenho a sensação que de facto conheci alguns daqueles personagens, e que partilhámos os mesmos espaços. Final brilhante.

    21. Bem escrito, lê-se bem e voltarei à obra do João Tordo, mas falta-lhe uma centelha distintiva.

    22. Foi o primeiro livro do autor que li e fiquei sem grande vontade de ler outros. Nao acho a história particularmente boa, nem sou grande apreciadora do estilo.

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *